Número de protagonistas femininas atingiu alta em 2016

As mulheres estão finalmente se movendo para o centro do quadro. De Amy Adams em A Chegada para Felicity Jones guerreira rebelde em Rogue One, as atrizes estão dirigindo a ação em mais filmes de Hollywood. Embora as participações masculinas ainda são duas vezes mais prováveis, a mudança está vindo e rapidamente.

653628-970x600-1As mulheres constituíam 29% dos protagonistas dos 100 filmes de maior bilheteria de 2016, segundo um novo estudo do Centro de Estudos de Mulheres na Televisão e Cinema da Universidade Estadual de San Diego. Isso representa um aumento de 7% em relação aos níveis de 2015 no número de estrelas  mulheres e representa um recorde histórico .

As mulheres também encontraram-se melhor representadas em conjuntos, com as atrizes que compõem 37% dos personagens principais nos filmes mais populares, um salto de 3 pontos percentuais em relação ao ano anterior, e outra alta histórica. A percentagem de personagens femininos em “papéis falantes” foi essencialmente plana em 32%, menos de um ponto percentual se comparado a 2015.

 

As descobertas foram divulgadas na sequência de um debate mais amplo sobre a inclusão e a igualdade de gênero que envolveu os negócios de mídia nos últimos anos. Atrizes como Jessica Chastain e Jennifer Lawrence têm falado sobre a discrepância salarial entre o talento feminino  e seus homólogos masculinos, enquanto campanhas de mídia social foram lançadas para protestar contra a cobertura do tapete vermelho para questões sexistas sobre escolhas de moda.

Os estúdios também descobriram que os projetos femininos estão se conectando com o público. “Moana”, “Estrelas alem do tempo”, “Perfeita é a mãe” e “A garota no trem” são apenas alguns dos sucessos comerciais recentes que se caracterizaram por papéis fortes para as mulheres. Principais franquias de filmes como Star Wars se beneficiaram com protagonistas femininas.

“Já vimos uma e outra e outra vez que personagens femininas, quando bem feito, eles dão boa bilheteria”, disse Martha Lauzen , diretora do centro e autora do estudo.

Scarlett-CAPA-2“Elas não estão sendo renegadas a um único gênero como as comédias românticas”, disse Lauzen. “Seu destino não está ligado às fortunas de um único gênero e isso sugere um padrão mais estável.”

As protagonistas femininas foram mais prováveis ​​de aparecer em comédias (28%), dramas (24%), filmes de terror (17%), animação (14%) e filmes de ficção científica (14%). Elas eram menos propensas a estar em filmes de ação, com apenas 3% desses filmes tendo personagem feminina.

No entanto, essas mudanças não parecem estar levando a mais oportunidades para as cineastas. Atrás da câmera, as coisas realmente pioraram. As mulheres representavam apenas 7%  de todos os diretores que trabalhavam nas 250 emissões domésticas mais altas em 2016, um declínio de dois pontos percentuais em relação ao nível alcançado em 2015 e em 1998, segundo um estudo anterior do centro.

“É possível que esta seja uma espécie de peculiaridade que não veremos repetida no futuro”, disse Lauzen. “Também é possível que a introdução de protagonistas femininas seja de alguma forma uma correção mais fácil e menos ameaçadora do que a contratação de diretores e escritoras”.

Isso poderia ser um problema quando se trata de oferecer papéis carnudos para as mulheres. Filmes com pelo menos uma diretora feminina apresentaram maiores porcentagens de protagonistas, personagens e papéis. As mulheres eram as protagonistas em 57% dos filmes de diretoras, mas quando os homens estavam dirigindo, elas representavam apenas 18% das protagonistas.

Os avanços nos papéis das mulheres não se traduzem necessariamente em mais diversidade racial. O número de personagens femininas asiáticas dobrou para 6% em 2016, enquanto o número de personagens femininas negras representou um ponto percentual para 14%. No entanto, o número de personagens latinas caiu de 4% para 3%.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.