Rogue One | Revelado final alternativo do filme

O último filme Star Wars, Rogue One foi lançado em dezembro, sendo ele a primeira edição da série Antologia da franquia separada da história principal.

Essa semana um co-roteirista de Rogue One revelou que o filme poderia ter terminado de uma maneira muito mais feliz. Gary Whitta, que co-escreveu a história com John Knoll, explicou a decisão final de matar a maioria das pessoas a bordo da frota rebelde.

“O instinto original era que todos deveriam morrer”, disse Whitta à EW. “Isso é o que sempre quis fazer. Mas nunca exploramos isso porque tínhamos medo de que a Disney não nos deixasse fazê-lo. Ela poderia pensar que era muito sombrio para um filme de Star Wars ou para a marca deles.”

A narrativa alternada inventada Whitta significava que não havia espaço para os personagens Bodhi Rook, Chirrut Imwe e Baze Malbus, enquanto Jyn Erso foi escalada no elenco como uma sargento rebelde em vez de um criminosa.

“Na verdade, alguns dos brinquedos que foram vendidos ainda dizendo sargento Jyn Erso”, disse Whitta. “Quando mudamos isso, alguns dos brinquedos já estavam em produção.”

Quanto à história, Erso iria sobreviver ao assalto de Scariff juntamente com Cassian Andor, onde um nave rebelde iria tirá-los da superfície.

“A mudança dos planos aconteceu mais tarde”, disse Whitta. “A nave [da princesa Leia] viria de Alderaan para ajudá-los. A transferência de dados para a nave aconteceu com Scarif.” Ele então confirmou que Darth Vader ainda apareceria, desta vez destruindo o nave de Erso, embora ela sobrevivesse nesta versão dos eventos, escapando com Cassian no final.

No entanto, Whitta sublinhou que ele e o resto da equipe criativa de Rogue One nunca venderam esta versão dos eventos.

Decidimos que eles deveriam morrer na superfície [de Scarif], e foi assim que terminou”.

Confira abaixo nosso Veredito de Rogue One:

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.